Páginas

sexta-feira, 26 de agosto de 2011

TERCEIRA E QUARTA VIAGENS DE PAULO


Em sua terceira viagem evangelizadora tem com objetivo fortalecer os discípulos nas novas igrejas na Ásia Menor e Grécia. Tal como nas missões anteriores, Paulo sempre parte da igreja onde congregava em Antioquia, de onde segue por terra até Éfeso (capital da província Romana da Ásia. Era a cidade mais importante da região e cruzamento de rotas comerciais. Nela estava o templo da deusa Diana (At.19:35 -chamada pelos romanos de Ártemis,uma das sete maravilhas do mundo antigo.Atualmente a cidade está em ruínas, e encontra-se localizada na região da Anatólia, Turquia.)Paulo dá muita atenção à igreja de Éfeso onde acontecem milagres
Após uma confusão em Éfeso (At. 19:23-41) com Demétrio, o ourives,Paulo segue para Macedônia  e Acaia(atual Grécia) onde visita igrejas. . Passando por Tarso, Derbe, Listra, Icônio e Antioquia da Pisidia. Retornou a Ásia indo pela Macedônia.
De volta a Ásia Paulo reúne-se com a igreja de Trôade, em que é presenciado um milagre de ressurreição de um jovem que havia despencado da janela do terceiro andar ao adormecer durante um prolongado discurso proferido por Paulo. Ao desembarcar em Mileto Paulo tem um comovente encontro com os presbíteros da igreja de Éfeso. Deixando esta cidade passa por Tiro e Cesaréia, indo novamente apresentar-se em Jerusalém sabendo que lá iria ser preso.
Nesta viagem ele escreveu I Coríntios e a carta aos Romanos em Coríntios. Esta viagem durou cerca de quatro anos.
Nesses anos o Evangelho se expandiu por todo o império, chegando a todas as grandes cidades, inclusive a capital Roma, o “fim do mundo” (At 1,8).
         Se seguirmos a descrição das três viagens de Paulo e seus companheiros, narrada nos Atos dos Apóstolos vê que eles percorreram em torno a 16 mil quilômetros. Enfrentaram muitos problemas (2Cor 11,25-26) e também dificuldades da própria missão de anunciar o Evangelho.
         As comunidades que surgiam pequenas e frágeis levavam a sério a mensagem de Jesus. E foram os outros a reconhecer isso. Em Antioquia, para distingui-los, deram a eles o nome de Cristãos (At 11,26). E começaram assim a adquirir a sua própria identidade. Os Atos dos Apóstolos relatam a beleza e o vigor dessas primeiras comunidades (At 2,42-47; 4,32-37).
         Mas a dificuldade nossa hoje é que não temos as notícias de todas as primeiras comunidades. Os Atos e as Cartas relatam basicamente a missão do Apóstolo Paulo e das comunidades surgidas através da sua missão. Quase nada sabemos do trabalho de outros missionários, das comunidades espalhadas pelo norte da África, na Itália e pelas outras regiões e que estavam presentes no dia de Pentecostes (At 2,9-10). Pouco sabe também das comunidades da Síria e da Arábia, cujo centro era Antioquia. A comunidade de Antioquia chegou a competir em autoridade e influência com a de Jerusalém. Foi desta comunidade que Paulo partiu para as suas viagens missionárias, e onde viveu muito tempo.

Sua quarta viagem (At.27:1 a 28:16)
Em sua estadia em Jerusalém, após ter regressado de sua terceira viagem missionária, Paulo é detido pelos judeus quando se encontrava no templo cumprindo seu voto.
Devido à confusão que foi formada pela ocasião da prisão de Paulo, as autoridades romanas em Jerusalém intervieram,evitando que o apóstolo fosse morto. Invocando sua cidadania romana, Paulo obtém algumas proteções enquanto permanecia em custódia aguardando julgamento, o que motivou a sua transferência para Cesaréia, sob os cuidados de Félix, governador da Judéia, perante o qual foi acusado pelos judeus de ter causado inquietação política e profanação do templo.
Com dificuldades para decidir sobre o caso de Paulo, Félix o mantém em custódia por dois anos até ser substituído por Festo que, ao fazer um acordo com os judeus, promete encaminhar o apóstolo para ser julgado em Jerusalém. Mas Paulo interpõe um apelo para impedir tal determinação e, devido ao seu requerimento, consegue pelas leis romanas que seu caso fosse apreciado pelo imperador em Roma. Isto porque a legislação na época permitira que um cidadão romano que não se sentisse tratado por justiça pudesse apelar para o imperador nos casos em que a pessoa jamais tivesse sido condenada por um tribunal inferior e a acusação não se tratasse de crimes comuns. (At. Capítulos 23,24,25,26)Enquanto esteve sob a custódia de Festo, o caso de Paulo chegou a ser submetido ao rei Herodes Agripa II, porém depois de seu apelo ao imperador.Agripa não encontrou em Paulo nenhum motivo para ser condenado, contudo de nada adiantou o seu parecer.
A viagem de Paulo a Roma. Era comum em que o apóstolo atua como um verdadeiro missionário junto aos criminosos que estavam sendo transportados pelo navio. Foi uma viagem turbulenta, tornando-se perigosa depois que o navio já se encontrava em Creta quando todos foram surpreendidos por um forte tufão quando navegavam pelo sul da ilha. O navio afastou-se de Creta vindo a naufragar em Malta, onde Paulo permaneceu por três meses em terra curando os enfermos da ilha, e fundou uma igreja. Em Malta, tem mais um milagre ocorrido quando Paulo é picado por uma serpente e sobrevive sem sentir nenhum efeito do veneno da víbora.
Paulo segue para Roma enquanto aguardava a audiência com Nero em custódia domiciliar por dois anos, pagando sua própria conta do aluguel de uma residência. (At.28:30)Em sua casa recebe muitos judeus.
A história de Paulo não termina aqui. O que se sabe, além da interrupção que Lucas faz de sua narrativa em Atos são alguns detalhes que o apóstolo dá em suas cartas ou então por intermédio dos escritos dos Pais da igreja. Seu caso foi examinado e ele absorvido. Nesta ocasião se diz que ele cumpriu seu desejo de pregar na Espanha (Rm.15:28).Nas redondezas de Roma fez um grande trabalho.

Um comentário:

Google Analytics Alternative